É o fim


Chegamos na linha final. O caminho é sem volta. Eu te digo adeus, porque desejo que a dor cesse e que não mais volte a sofrer por toda a sua falta de sensibilidade. Os sorrisos e as lembranças estão sendo apagadas, o que era amor, revira o estômago. Chegamos no fim e tudo que eu queria era te amar, mas não existe amor para quem não sabe reconhecê-lo. 

Vou embora, os meus olhos estão vermelhos, minha disposição para o recomeço é zero. Estou muito diferente do que era há dois anos. Menos inocente, acredito pouco nas pessoas e no amor que vem do outro. O lado ruim de conviver com pessoas más, é que elas tiram toda a nossa esperança em viver. Mas admito que tenho que continuar. Não há outra opção, ou a que resta não me sinto capaz agora.


Você me vê partir. Nada faz, não sente amor ou culpa. Sente alívio. Não precisará de mais desculpas para fingir respeito ou cuidado. Sua face já foi descoberta e tudo que tem ao seu lado é o orgulho. Ele é bom, esconde tudo que te põe em conflito. Minhas últimas palavras expressam o meu desejo de que colha o que plantou. Você está preso a si mesmo, afastará todos que lhe dão o mínimo de amor. É o seu karma, porque não sabe lidar com nada além do superficial. 

Engana-se com essa sensação de alívio. Ao colocar a cabeça no travesseiro, seguidas vezes, recordará do meu riso, carinho, das minhas lágrimas e da dor que causou a todos que nem sequer te conhecem. Você vai ver, a sua consciência futura não irá ser complacente, logo mais, cobrará existência e espaço na sua vida. Talvez por isso adie tanto fazer balanços do que já viveu, porque sabe que se fizer, perceberá o quão é letal para os que sentem amor. 

Relações superficiais se esgotam, por mais que tenha muitas. A solidão e a culpa em ser quem é são as piores companhias. Volta e meia alguém descobre que sua face é de vidro e que para quebra-lá basta ser um pouco mais do que um conhecido. Basta dar-lhe o que você não pode sentir. E as fissuras e rachaduras revelam tudo que é. É assustador olhar para o seu interior e mais ainda o quê é capaz de fazer em prol de si mesmo, com o sorriso no rosto, com a ausência de culpa. Seus olhos brilham como os de uma criança, através deles encanta e fere de forma letal todos àqueles que se aproximam de ti.


Quantas esperanças ainda ceifará até aprender a valorizar o amor? As pessoas? Os sentimentos? Talvez tudo que queira é sentir amor. Talvez por isso destrua tanto esse sentimentos nos outros, porque sem ele por perto, não há riscos, você pode ser quem é sem culpas ou medos. Porque o único medo que resta é o daqueles que se relacionam contigo e não sabem o que está por vir. Eu te digo adeus, porque tenho medo do que ainda será capaz de fazer comigo. Sei que não virá atrás e correrá das responsabilidades, mas elas existem e vão reclamar por espaço da maneira mais severa possível. É o fim de uma tentativa de amar, o barco amarelo acaba de afundar em lágrimas.  


  

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA