Sons dos loucos – parte III







             
Adam sentiu o frio no espírito e apoiou as mãos na cabeça. Refletiu na gravidade do que está por vir. Enquanto permanecia em silêncio e pensante, o sujeito dos olhos grandes continuou:
– Vamos, antes que a chama apague, escolha um só. Você não precisa se desgastar. Te ofereço uns bons óculos, com um preço baixo.  Todos me deram isso – aponta para um ponto no escuro – quando usaram os meus óculos, por que faz tanta questão em ter? Ninguém nem sequer dá valor. Se usar os meus óculos agora, sairá vitorioso desta mesa. A promessa que te faço é a de nunca mais ser rejeitado por nenhum de nós.
Adam continuou parado e pensante. Olhou para mesa e os seus poucos detalhes visíveis e continuou em silêncio.
– Se você se esforçar um pouco aceitará os nossos óculos. Pense que não precisará se preocupar em criar absolutamente nada. Basta escolher, costurar com algumas outras partes e pronto: vida pronta para seguir e viver, ninguém notará as costuras. Ninguém nem sequer nota à vida dos outros em profundidade. Mas quando mudarmos o modelo dos óculos sinta-se obrigado a trocar também. Chegará o tempo em que isso será feito institivamente. Seguirá o fluxo no impulso. No entanto, a cada vez em que permanecerem diferentes dos nossos modelos, os conflitos baterão a sua porta numa escala muito maior, cada vez maior. Mas não é isso que quer não é? – gargalhou – Só se estiver ou for doente. – fechou o sorriso do desdém, e voltou a encará-lo nos olhos.
– Mas e se eu não estiver doente e vocês... com todos esses modelos de óculos, que estiverem? – retrucou sem mensurar o impacto da própria pergunta.
– Não faça pergunta idiota! Não me conteste nunca! Nós temos o controle. Nós definimos o que é ou não doença. Não questione nada. Sua única função é utilizar os meus óculos e nada mais. As suas preocupações serão extintas. Nós lhe daremos as suas preocupações, dúvidas e questionamentos, e as controlaremos - como fazemos com todos - para que não interfiram no equilíbrio dos nossos modelos e interesses. Para os mais frágeis, oferecemos ferramentas para liquidar o próprio sofrimento e quase ninguém se importa verdadeiramente. Aliás, existem poucas verdades. Não se preocupe com mais nada. É essa a garantia que te darei. Descarte esse e quaisquer outros óculos que não pertença ao nosso catálogo, e posso garantir que não irá se arrepender.

Continua...




MAIS DE ÓTICA COTIDIANA