O trem



O trem já chegou
O maquinista parece inquieto
Todos parecem insensíveis a nossa despedida

Arrasto as suas malas sem vontade
O desejo é de que nunca embarque
Que continuemos como unidade

O trem já está partindo
Vozes e esbarros ditam a pressa e prenunciam a ausência
E nós, desavisados por opção, não largamos do nosso sentimento

Insensíveis
Não aceitam esperar um minuto a mais pelo que sentimos
Te entrego a sua mala pela última vez e digo: adeus, amor

O trem grita, ele está partindo
Berro amor, como um desesperado
Lágrimas preenchem os meus olhos grandes
Enquanto grito meio mundo de palavras e promessas

Nos trilhos, o trem desaparece
E no ar as minhas palavras de desespero
Tornam-se ecos:

Te amarei para sempre
Pode sentir, estou aí
Vou te amar até te reencontrar

O eco desparece no ar,
Como a fumaça do trem, que se camufla na neblina da noite
Logo mais em Roma cederá aos seus encantos

E as promessas se tornarão memórias
Memórias do trem, que vão e retornam
Mas nunca permanecem estacionadas por tanto tempo

Tudo é efêmero
Memórias transformam quem vai e quem fica
No reencontro e despedida, ainda que exista amor,
Não há mais unidade: mas a sombra da promessa dos ecos 



MAIS DE ÓTICA COTIDIANA