Um pequeno sonho


Um sonho, um pequeno sonho. Onde tudo funciona bem, onde tudo se forma e transforma suavemente. Um sonho, um pequeno sonho. Não há contradições. O ar parece mais leve e a calçada se transforma em nuvens. Agora não ando mais, apenas voo nesse azul claro, repleto de figuras, que na verdade é a extensão do meu estado de transe, quando percebo você.
Nas nuvens mais altas encontro você sorrindo. Tão doce, tão quente e de uma vivacidade e proximidade nunca antes reconhecida pelos meus olhos. É extraordinário te ter. Se de repente pudesse sentir que àquilo pudesse acabar, o desejo sem dúvida era de fazer algo para manter esse universo que me faz tão bem. Lutaria com forças, que nem sei se tenho, para continuar a te ter ali em minha moldura, tão minha e ao mesmo tempo tão sua.

Um sonho, um pequeno sonho. A paz é tudo que mais preciso. É a ruptura de uma rotina ilusória e cruel, devorada de sonhos. Tudo é tão real que é injusto acreditar ser apenas um pequeno sonho. O olhar, o leve sorriso, a suavidade. Tudo constitui este sonho que parece longo, real e eterno, mas é minúsculo. Já não posso dizer o mesmo das suas consequências, tão extensas e talvez danosas.
Voando, tirando os pés do chão, tudo é maravilhosamente bom, tudo é apenas um desejo. Ou melhor, um truque do desejo.
Um pequeno sonho, não posso e nem desejo acordar. Estou sonhando, estou voando, não deixe esse encanto acabar.



Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA