2010 chegando


O relógio e a posição das estrelas já marcavam o final de mais um ciclo. O dia era 31, uma quinta feira, a última do mês de dezembro. Do alto da montanha ouvi o som dos galhos das árvores, do vento que pude sentir tão morno e tão confortável. Sentei abraçando as minhas pernas e fiquei a observar mais um final de ano.
Vi pessoas felizes, tristes, confusas, angustiadas, ansiosas, conformadas, indiferentes, mas ao mesmo tempo esperançosas. Fiquei a observar o movimento e as expressões faciais, as conversas, os sussurros e por alguns instantes me perdi neste encanto que é notar o que costumamos ver sem atentar.
Havia luzes que enfeitavam a cidade, algumas ainda com o espírito natalino, que juntas configuravam um ambiente aceitável para a recepção de mais um ano e para mais uma era. Imaginei o que seria e o que me espera no próximo ano. Vi nas fachadas das casas pinturas recentes. Vi pessoas de branco, talvez com roupas novas. Percebi nelas a vontade de crer que tudo pode ser diferente e especial. Notei também que algumas delas estavam fazendo simpatias desejando amor, dinheiro, prosperidades, saúde e, é claro, sorte e paz nesta velha nova jornada.

A brisa que vem do mar e a energia das pessoas trouxeram para mim uma estranha sensação de esperança. Ouvir àqueles jingles famosos de final de ano, ver os preparativos dos fogos, as taças, os champanhes prontos para serem abertos ao som do um, além das pessoas dispostas a trocarem abraços e beijos, a liberarem suas emoções com lágrimas e sorrisos, fortaleceram ainda mais a minha esperança de uma nova era.
A nova era em que espero, sinceramente, que de fato se torne realidade em 2010. Que ela deixe de ser utópica e de ser mais um sonho de um jovem de pouca idade e de uma legião de otimistas, que fazem de um tudo para crer que é possível sim mudar o que parece ser imudável.
Uma era onde as pessoas que pedem paz comecem a cultivá-la dentro delas mesmas. Uma nova era em que finalmente as crianças estarão nas escolas, não mais nas ruas, não mais no crime. Estarão voltadas a sonhar e a desenhar um novo mundo que se aproxima a cada piscar de olhos. A era em que a família existe de maneira saudável, não mais com incestos, violência física, psicológica e nenhum tipo de tortura. Não importa de qual maneira essa família se configure, seja grande ou pequena, mas que seja unida, única e acima de tudo feliz.
A era em que o homem finalmente aprendeu a dar valor ao que a natureza oferece, e que constantemente planeja e ostenta o desenvolvimento sustentável. A era em que o egoísmo e o consumismo débil dão lugar à solidariedade, ao amor e respeito ao próximo. Ora, somos todos humanos, o planeta é de Todos, como pode haver seres com tantos e outros com nada? E como pode haver ainda discursos de que o mundo é de todos, sem efetivamente parecer que é? Se continuarmos a pensar somente no ‘eu’ ,‘eu’, ‘eu’, tudo continuará da mesma maneira e momentos de confraternizações como estes só serão mais um de tantos que aparecem.
A era em que finalmente amadurecemos a nossa mentalidade. Não usamos mais armas de fogo e nem armas letais. Enfim compreendemos que estamos há mais de mil anos usando muito mais o lado físico e selvagem, do que o lado do raciocínio voltado para os sentimentos e respeito. E que finalmente notamos que não tivemos resultados dignos de orgulho e sem destruição, resolvemos parar. Somos tão inteligentes ao mandar sondas espaciais, ao nos comunicarmos por microchips a distâncias inimagináveis, ao reconstruir partes de nosso corpo, mas ainda somos atrasados quando ainda tentamos resolver os empecilhos à base do derramamento de sangue e da destruição da vida humana e até mesmo a animal, afinal de contas, eles também respiram o mesmo ar que respiramos. Não esqueceremos mais de usar o lado da comunicação, do entendimento e do sentimento de estar no lugar do outro para agir sem pensar, ou pensando muito pouco.
Nessa nova era finalmente aprendemos o valor das relações humanas. Não mais nos isolaremos em nossas casas, por ter medo do próximo. Não mais evitaremos os contatos pessoais, e não mais desconheceremos os nossos vizinhos. O amor não é mais problema, não há mais aversão a quem ama e todos podem amar e serem amados sem qualquer tipo de restrição. Não haverá mais pessoas utilizando-se da fé para obter o lucro, não haverá mais pessoas sustentando o individualismo e egoísmo, ditando regras que excluem uma parte desse todo que somos nós, humanidade.
A era em que a tecnologia avança e que ao invés de isolar e destruir, aproxima e conserva. A era em que a solidão e sentimento de não pertencer ao mundo, foram enterrados junto com a fobia e o medo do próximo. A era em que finalmente aprendemos a perdoar e a pedir perdão. A era em que nos olhamos nos olhos, apertamos as mãos e nos cumprimentamos, porque realmente é de nossa vontade e não mais por ser uma formalidade.  A época do ‘Bom Dia’ e do ‘Boa Noite’ de verdade. A era do amor e do eu te amo espontâneo. A era do novo, a era dos sonhos se tornando realidade.
A era da vida digna. Essa é a era em que pensei ao ver os primeiros sinais de fogos iluminando o céu. Ali na montanha, no balanço do vento e sentindo a brisa do mar, pensei, refleti, desejei algo. De repente ouvi uma voz. Fui abraçado e saímos juntos dali e fomos para a praia. Planejando, imaginando e criando novos momentos para 2010.
Finalmente chegou o momento do ‘um’ e do ‘êê feliz ano novo’. As luzes dos fogos preencheram parte do céu e todos a beira do mar, em suas casas, em festas, clubes e em todos os locais do mundo, deram boas vindas a mais um ano e talvez a um início de uma nova era. Trocamos abraços, bebemos champanhe, comemoramos, desejamos, sonhamos e renovamos as nossas esperanças, tudo em um único segundo. A estranheza de que o ontem fez parte de outra era talvez fosse imperceptível.
           Sentado na areia, vi a praia esvaziar, vi os sorrisos partindo junto com as pessoas. Vi as luzes pequenas dando lugar a uma luz grande e quente, a luz do sol. Vi os sons artificiais darem lugar ao natural. Vi a cor do mar mudar e vi a lua se afastar. Na beira do mar recebi um abraço, um beijo e ganhei uma promessa: a de ser feliz para todo o sempre.
Imediatamente lembrei-me do que pedi às 00:00 deste novo e importante dia. Pedi para que essa nova era chegue o quanto antes, talvez melhor do que a maneira que imaginei, mas que o mais importante aconteça e que finalmente o “Feliz Ano Novo”, deixe de ser mais um clichê, mais uma frase que repetimos sem cessar e às vezes por osmose. E que passemos a sermos felizes e realizados neste novo ano que se aproxima e nesse início de mais uma era. A era em que sejamos felizes de verdade.

Mensagem especial:


O ano chegando ao fim e quantas coisas aconteceram no mundo e comigo. Quantas vezes ouvi esse ano será diferente e quantas vezes não pensei ou falei isso. Foi um ano bacana que me permitiu conhecer pessoas boas. Muito aprendizado e muita produção. Um ano sem dúvidas que não esquecerei. Pude realizar o que desejava e aprendi a desistir e repensar em outras. Mais uma etapa de crescimento e amadurecimento. Um ano de surpresas, perdas, ganhos e de muita reflexão.
Neste ano pareceu mais visível que os reis também morrem, e que anônimos ainda sofrem. Perdemos a parte física do Michael, mas ele sempre estará em nossas memórias, porque seu trabalho é eterno. Artistas como ele nunca morrem ou acabam. Perdemos grandes artistas, grandes pessoas, algumas bem novas, outras com bastante idade, anônimos ou famosos, elas eram e são importantes para muita gente. Ganhamos novos rostos, e para muitos 2009 foi o começo de tudo.
Um ano que conheci novas músicas, novos filmes, novos espetáculos. Ingressei em novos universos e senti sentimentos estranhamente conhecidos. De qualquer forma, considero a experiência de 2009 muito válida. Espero que em 2010 consiga viver e aprender muito mais.
Bom, sobre o blog, mudei de servidor recentemente e este pode ser o último post dele. Ainda não sei se irei continuar com o blog. Vai depender de muitas coisas, de muitos valores e do desenvolver dos fatos em 2010. Caso este seja o meu último post, fico imensamente feliz de ter conhecido pessoas bacanas através deste espaço, tanto aqui quanto no meu antigo blig. Fico feliz também pelas pessoas que leram o meu conteúdo, que assinaram meu feed, ou que apenas me visitaram. Recebam o meu muito obrigado e eterna gratidão. Deixo esse post programado, para exatamente às 23:59 de hoje.


Fotos: Google Imagens 

Comentários

  1. ae .. nao precisei esperar muito pra ver seu post de final de ano

    esse clima de final de ano que torna todo mundo em 'pessoas melhores' é tao bom, né .. o jeito é torcer pra que esse clima continue durante o ano inteiro e as pessoas nao esqueçam daquilo que realmente interessa ..

    FELIZ 2010 VI ! :D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem-vindo a Ótica Cotidiana!
Obrigado pela visita e leitura do texto.


Participe deixando a sua opinião, comentário ou questionamento sobre o texto.

NOTAS :

- Não serão tolerados qualquer mensagem contendo conteúdo ofensivo ou de spam.
- Os comentários são de plena responsabilidade dos seus autores, ainda que moderados pela administração do site.
- Os comentários não representam a opinião do autor ou do site.

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA