Mar negro - Parte II


LEIA TAMBÉM: Parte I: Mar negro

Por mais que eu – ser terrestre – existisse fisicamente, nenhum ser naquele lugar era como eu. Eles sabiam exatamente que eu estava esperando alguém ou buscava qualquer sentido lógico para a minha presença ali. Essa expectativa é inerente aos humanos e eu não fugiria a regra. Estaria deixando que percebessem meu estado de contradição ora tranquilo, ora assombrado?

Meus pensamentos pareciam públicos e rarefeitos, não podia guardar qualquer segredo e não precisava me comunicar com palavras. Os meus sentimentos e imagens eram traduzidos por quem observava. Mesmo sem ver corpos, sabia que não estava sozinho.

Desejei companhia. Podia ser de alguém ou algo que pudesse ver com os meus olhos. Qualquer rosto poderia me salvar do silêncio e solidão. De repente, um cinzeiro esverdeado surgiu no balcão de caixotes e nele havia um pedaço de papel branco com três dobras. Abri. Ele era parte de uma folha com pautas azuis gastas de tanto que se havia escrito e apagado. Quase em branco, não fossem as rasuras do tempo. Li o que estava escrito. Mas o que decodifiquei não estava no idioma que uso para me comunicar com os meus semelhantes. Eram códigos estranhos a mim em um outro momento, mas naquele pareciam lógicos e entendíveis. Números, símbolos e caracteres nunca vistos.

Esquivei para os lados com interrogações impostas pelo recado direto e curto a mim. Era seco, sem possibilidade para dualidades. O silêncio insistia e o casebre permanecia imerso às bordas do mar de escuridão sem ondas e sons.

Qualquer rosto poderia me 
salvar do silêncio e solidão 
Mar Negro

Num dado momento, surge colado ao meu rosto a representação do que estava escrito na folha rasgada. No entanto, como me assustei, empurrei o que estava diante de mim ao mar negro de plasma. Não ouvi um único grito ou sinal de dor na queda, ele apenas foi engolido pelo escuro enquanto me observava sem piscar e sem dizer qualquer palavra.

O papel, antes aberto, se fechou no cinzeiro sem que eu precisasse fazer isso. As luzes anis agora formavam uma borda no casebre. Abri a nova mensagem e vi o que me perseguia sempre. A luz transbordou os meus olhos e tive visões de uma Terra tão diferente e distante da que vivia. Meu cotidiano banal já não existia, menos ainda as formas de vida dele. Tudo era novo, misterioso. Eu via tudo e me assustava tamanha precisão e beleza de funcionamento. A paz era onipresente e dali em diante associei o que dizia o papel para com o que via. Acho que estava em alguma face do tempo.

A luz aos poucos ia se apagando e a escuridão engolia tudo, inclusive invadia o casebre. Eu já não era eu: era parte da escuridão e nela não sabia distinguir o real, o presente, passado, futuro ou a vida da morte. Havia movimento em tudo. De uma respiração profunda, agora estranhamente necessária, notei que meu corpo fora lançado em queda livre, numa velocidade agressiva, talvez a da luz. A parte de mim que estivera no casebre colou-se novamente àquele corpo estirado na cadeira centenária. Eu estava de volta à vida de sempre. Que inferno!

Achava que estava em
alguma face do tempo 
Mar Negro

Aquele arranjo de luz eterna parecia tão infinita e confortável que eu queria ir além. Cobiçava entender mais daquela face de um futuro, seria àquele um novo mundo? Se sim, como faço para chegar? Esse espaço, que devo ter visitado, era tão equilibrado, confortável, infinito e pleno. Havia algo que sempre buscávamos na Terra e falhávamos, havia amor infinito para qualquer criatura. Até mesmo as perdas do que se lançara ao abismo eram sempre substituídas por ganhos ainda mais singulares. A renovação e a gratidão faziam parte de um fluxo infinito que despejava nas almas de quem existisse.

Meus olhos seguiam dilatados, tudo era turvo. Não sei mensurar quanto tempo passei naquele lugar. No espelho, notei que o meu corpo devia ter alguns quilos a menos. No meu lado transcendente, havia a certeza de que o que quer que exista nas faces ocultas do tempo de uma vida banal precisa ser revelada e experimentada mais vezes. Quero mais e quero entender como tudo aconteceu. Perseguia inutilmente a sensação diferente de tempo no envolto do mar negro.
.



 

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA