468 anos de diversidade e história

Pelourinho, Salvador-Ba | foto: Vinicius Gericó

Do alto, os olhos e lentes capturam tudo e revelam uma Salvador que se perde no horizonte infinito. As cores da primeira capital do país se assemelham a um mosaico que traz, entre outras coisas, as águas calmas da Baía de Todos os Santos, a orla curvada de praias movimentadas e coloridas pelos sombreiros na areia. Estes, protegem os que se escondem do sol forte de domingo. Também escondidos, mas em becos, vielas e ruas estreitas, que mal passam os veículos, estão rostos anônimos que trazem as marcas que comprovam a vivência de parte destes 468 anos.
Do alto, a cidade já não é tão quente, como costuma ser. Daqui tudo é calmo e não há àqueles que procuram suados uma sombra, enquanto esperam a condução. Não se nota os típicos olhares e cumprimentos, ora distraídos ora atentos entre os que circulam pela cidade: ‘eae pai’, ‘fala moral’, ‘beleza?’, todos imperceptíveis.

Imbuí/Avenida Paralela, Salvador | foto: Vinicius Gericó

Os sons dos carros e dos tambores contínuos do Pelô são silenciados e, das sombras dos prédios e casas coladas umas nas outras, há evidências de que essa cidade centenária é mesmo misturada e abençoada pelas várias crenças. Ricos, pobres, negros, brancos, índios, soteropolitanos, baianos, nordestinos, brasileiros; do alto, todos são iguais e se espera que no chão também sejam. O anseio é que a desigualdade, tão visível do alto, também tenha fim.

Os ônibus, trens e metrô, ora lotados, ora vazios; carregam de um lado para o outro, àqueles que vivem e constroem a cidade. No intervalo de uma viagem e de cada ‘valeu, piloto!’, se firmam os laços, assim como o futuro deste pedaço no mundo.

As ladeiras, que dão preguiça de subir, parecem ser uma fenda que une e separa universos tipicamente conhecidos aos que podem apreciar da janela uma Baía de todas as crenças e tons. Do alto, aprecio os animais que podem ver de cima uma Salvador que consegue, mesmo com as adversidades, através do contraste, ser a pintura da paisagem viva. 

Paisagem colorida que mistura tudo e todos num só pedaço de Terra batizado em 1549 como cidade do São Salvador.

Veja imagens da capital baiana:

Orla

Subúrbio Ferroviário - Salvador (Bahia)

Morros Habitados


Centro Histórico


Imagens: Vinicius Gericó


   

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA