Versões



Vejo fotografias, grafias e papéis. Lembranças de um eu perdido em meio a um universo frio e desconhecido. Sinto saudades do que era seguro. Embora não me sentisse totalmente protegido naquela época, ela parece me trazer mais conforto do que a experimentada hoje. Justamente porque passou.

Que saudades tenho da versão perdida. De um eu para chamar de meu. Desse tempo cujos desafios já estão superados.O passado hoje é tão confortável. O tempo levou embora uma versão minha. Àquela mesma que viu os anos sendo arrancados do calendário, à medida em que me tornava mais velho e maduro. Mas quem se importa? Eu deveria me importar?

O novo-tempo trará algo diferente, indeterminado. Isso que me assusta, porque diante dos tempos, saudades e versões, me pergunto se sentirei falta desta que tanto quero deixar partir. 



  

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA