Cometemos um erro ao confiar?



Tenho medo dessa tal confiança que demos para o tempo a fim de que ele resolvesse os nossos problemas. Acho que ele tem nos colocado no movimento de esquecimento um do outro. Seria essa a saída entre nós? O profundo e verdadeiro esquecimento? Amnésia, lapso, ruptura ou qualquer coisa que dê indício de que nós não nos conhecemos e reconhecemos mais?

Meu maior medo é de que nos esqueçamos de quem nós fomos e do quão complementávamos um ao outro por um longo tempo. Consegue se lembrar de como nós éramos? Haverá um dia em que existirá amor entre nós? Você me diz, em ações, o quão se esquecer de mim te faz bem, porque sou alguém que não gosta e que vai embora em silêncio. Em mim também o esquecimento é uma saída inevitável para não sofrer.

Existirá um amor para além do que eu já sinto por você? Pergunto-me se algum dia na vida será capaz de me amar e de me surpreender por aceitar quem eu sou. Diante de tudo, só posso esperar que, se nós formos continuar a caminhar para o esquecimento, essas inquietações também estejam inclusas.

Enquanto não estão, sofro em silêncio. Você me dá sinais de que me deixou todos os dias. O sentimento de que não estou mais na sua vida continua a ser letal. Que medo estranho esse o de ser esquecido e de te esquecer. Assusta-me porque o tempo está passando e eu não estou te esquecendo como você está. 

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA