Espelhado














Será que um dia você será capaz de olhar para trás?
De se encarar no espelho, após entender o que acabou de descobrir?
Tudo estava perfeitamente claro
Eu estava ao seu lado e desejava o amor

Mas você não via,
Porque parte de você preferia permanecer cego
Mas você permanecia cego,
Porque no fundo você tinha medo de se abrir a oportunidade


Será que você consegue olhar para trás?
Você parece tão imediatista e superficial nas suas relações
Será que consegue perceber a quantidade de pessoas que queriam
Receber o que você recebeu, mas pagou com indiferença?

Onde está você agora, amor?
Eu estou revendo as cartas que te escrevi
E todas àquelas demonstrações de carinho e amor
Consigo encontrar nelas a sua rejeição a tudo que te dei

O seu vício era ver só o lado ruim em mim
Tão cego, não viu o que estava diante de você
Tão cego, não viu que eu estava sorrindo
E que esse riso era só por você existir

Oh amor, o que foi que te disseram sobre nós que te fez temer?
Por que você se entregou ao medo e não a oportunidade de viver?
Por que você não nos deu uma chance?
A nossa experiência era uma brincadeira para você?

Me pergunto todos os dias como será quando olhar para trás
E perceber que já não há barquinhos de papel
Nem bilhetes de bom dia sendo entregues
Não, amor. Eu não me esqueci de te entregá-los, é que eu já não posso

Será que um dia você será capaz de olhar para trás?
De se encarar no espelho, após entender o que acabou de descobrir?
Eu me pergunto: por que tanta indiferença? Como conseguiu ser fiel a ela?
Por que esse amor nunca te importou? Era por que ele era meu?

Eu estava diante de você
Dando tudo que eu poderia dar de melhor
Me esforçando, até nos péssimos dias,
Em te dar e ser a melhor versão possível

Mas você nunca reconheceu
E, para você, eu era o excesso da imperfeição
Será que um dia você será capaz de olhar para trás?
De se encarar no espelho, após entender o que acabou de descobrir?

O que você irá sentir quando envelhecer
E perceber, que já estamos em 2080 e que jogou o singular fora?
O que você irá sentir ao notar que para alguém que só queria um pouco de amor
Você retribuiu com indiferença e desinteresse constante?


Eu esperei uma mensagem, uma resposta, um presente,
Um convite para sairmos, mas a espera foi longa e me cansei
Ao notar que era eu quem sustentava tudo que nos unia
Por que só eu devia me importar? Por que sempre eu?

O que você irá sentir quando notar a intensidade do que sinto?
A sua indiferença me feriu tanto,
Que já não tenho mais esperança em recomeçar
Já não tenho esperanças de você valorizar o que sinto e te entrego

Lembre-se daqueles dias em que meus olhos brilhavam por você
Numa mistura de amor e admiração
Porque eles estão se fechando e se tornando indiferentes como você
Quantas pessoas no mundo gostariam de ser vistas como eu te vi?

O que você fará ao olhar para trás e perceber que tudo que eu queria
Era dividir e receber um pouco do que eu te dava?
O que você irá sentir ao reler as cartas, cartões, mensagens e e-mails?
Eles estão concentrados de carinho e amor, que jamais alguém te dará igual

Quantas pessoas no mundo morrem todos os dias sem saber
O que é receber o que você recebeu e pagou com indiferença?
Será que um dia você será capaz de olhar para trás?
De se encarar no espelho, após entender o que acabou de descobrir?

O que você fará ao olhar para trás
E perceber que já não há mais alguém atrás de você?
O que você fará ao constatar que você machucou e afastou
Todos àqueles que só queriam de você, mais do que a superficialidade?

Que nem sempre cumprimentar, está significando se importar
E que nem sempre um abraço é sinônimo de afago
Nem sempre o beijo com gosto de álcool na balada é atração
O que você fará ao notar que perdeu o que ontem era só "tanto faz!"?

Será que um dia você será capaz de olhar para trás?
De se encarar no espelho, após entender o que acabou de descobrir?
Será que um dia você será capaz de olhar para dentro
E perceber o que é receber amor? 






  

  





MAIS DE ÓTICA COTIDIANA