Indeterminado





Eu sou alguma coisa que não se limita
Eu sinto uma coisa indeterminada
Eu preciso deixar partir o que me parte

Livre
Desejo estar
Mas essa liberdade é cara
Porque ela vai de encontro com a esperança

Machucado estou, porque sou
Machucado fico, porque sinto
Em carne viva, por arrancar isso que precisa partir

A tal liberdade me chama
Ela persiste tal qual a esperança
Elas brigam e modificam tudo que acredito ser sólido
Mas o mais sórdido dos dois é a esperança

Ela insiste, seduz, conforta
Ah como espero, ah como sofro na espera
O momento fugaz é constante

O desejo de ficar do tamanho da paz se anuncia
A esperança diz que ela é a paz e abraça forte
A liberdade promete ser o caminho correto
Em meio a crises, o que sou? O que sinto?

Parece que estou perdido, incompreendido porque sinto e sou
Eu sou qualquer coisa ou sou a coisa?
Eu sinto sentimentos ou vivo as consequências de um amor que machuca?

Entre lágrimas de esperança e pedidos de liberdade,
O tempo passa. Envelheço e me perco em meio a sonhos
Que não sei para onde me levarão
O estranho de tudo é que sinto que sou algo já permanente em mim

É o tal do amor que tenho por você
É a força dos sentimentos e esperanças em viver com você
É a urgência na correspondência que permanece
O medo é do que isso ainda pode fazer ou machucar enquanto tudo é indeterminado  

 




MAIS DE ÓTICA COTIDIANA