Éramos dois







Éramos dois
Aproximados pelo acaso
Quando desde o primeiro abraço
Algo começou a se expandir e a procurar sentido

Éramos dois
Aproveitávamos o contato e companhia do outro
Próximos, cada pedacinho dessa relação
Desejava ser grande e infinito


Éramos dois
Sentados à espera e de pé na espera do abraço de despedida
Prontos para que o ‘até logo’ começasse a significar saudade
Da companhia e amor que se tornavam mais sólidos

Éramos dois
Tudo se expandiu rapidamente
Os seus olhos me devoravam e os meus eram fixos em você
A espontaneidade nos aproximava e dizia ao mundo o que sentíamos um pelo outro

Éramos dois
Até que o um não queria mais o dois
E então cada pedacinho grande tentou ser nulo outra vez
Mas havia a esperança e sentimento puro que impediam

Éramos dois
E essa intensidade é maior do que imaginei
Cuja busca por significados e sentidos permanecem
Enquanto diante dos seus olhos, tento te esquecer
Diante dos seus olhos, resisto para não sofrer e te perder


 
  





MAIS DE ÓTICA COTIDIANA