Espiral





Ela vivia numa espiral
Tudo ia e voltava incansavelmente
Refém do silêncio, se perguntava todos os dias
Se tudo que vivia era parte de um sonho

Perdera a noção do controle
Já não sabia de que forma poderia acordar
Num determinado momento,
Tinha dificuldades em ver a realidade

Mas o que era essa realidade?
As idas e voltas já tão cansáveis
Tudo que sentia e permanecia era intenso e machucava
Como tudo isso poderia ser só um sonho, ilusão? 








MAIS DE ÓTICA COTIDIANA