A espera







A espera tudo devora
O vazio rapidamente se incorpora ao ser
Os sonhos motivadores de tudo agora aprisionam

Ele desejou partir, recomeçar, reencontrar-se
Desejou não viver mais aprisionado
Mas ele ainda reconhece o que é poder de escolha?

A sua autodefesa já está tão violada, ultrajada
Porque se salvou inúmeras vezes do abismo da solidão, refém da ilusão
De todos os males que passou, a espera é a menos opressora

Porém, a espera arde na carne e espírito quando se prolonga
Porque é uma prisão que cutuca os sonhos que querem adormecer
E os sonhos são sempre algo difícil de deixar partir

Porque deixar um sonho é deixar um pedaço de si para trás







MAIS DE ÓTICA COTIDIANA