Fomos infinitos, livres e sensíveis...




Com o slogan Infinidade, liberdade e sensibilidade ao longo de 2014 o Ótica Cotidiana trouxe um conjunto de textos que envolveram a introspecção, a subjetividade e os sentimentos humanos em êxtase. Da banalidade do acaso, da vida sentimental, dos encontros às consequências de um tempo veloz e sempre faminto e pronto para surpreender.

O tempo e a vida surpreendem mesmo. Provocam peças inimagináveis, reações espontâneas. Do choro, silêncio, inquietude à felicidade, liberdade e sentimento de infinidade, 2014 passou rápido, mas não passou em silêncio. Como este é o último post do ano traço uma breve avaliação do que foram essas postagens.

Embora o blog tenha proposta de ser um misto de conteúdos (cultura, sociedade e literatura introspectiva) a temática de 2014 precisou voltar um pouco ao estilo anterior, o de literatura introspectiva, para o desenvolvimento da temática, o que inevitavelmente acentuou traços das fases anteriores, enquanto o blog ainda era Vinicius Gericó [blog].

Ainda que este retorno possa representar uma contradição diante da nova proposta que segue mais ampla, considero o desenvolvimento do tema, em um ano tão imprevisto e complexo, como foi 2014, uma importante etapa para contribuição do desenvolvimento de uma literatura mais próxima e introspectiva.

O Ótica Cotidiana encerra o ano com 70 publicações. Este número é um recorde, comparado aos anos anteriores. As publicações fixas às sextas-feiras, sempre às 20h, contribuíram para o crescimento no número de textos publicados e de leitores. Espero para 2015 manter esse fluxo e diversificar ainda mais o conteúdo, sem perder de vista, evidentemente, as marcas do que constitui o Ótica Cotidiana como crônica singular do cotidiano.

Um feliz 2015 para todos nós e nos vemos logo mais, com uma nova temática. 


MAIS DE ÓTICA COTIDIANA