Feiras e flashbacks



O flashback é um truque, um mero desejo. Algo que de repente fez sentido e gostaríamos, no fundo, de não ter esquecido tantos detalhes. Fazendo-nos recorrer a imagens reais ou virtuais.
Quando as peças começam a se completar, um sorriso com traçado levemente desenhado surge no rosto. Os lábios estão selados e ao mesmo tempo falantes: uma feira livre de pensamentos na mente, enquanto o único som natural é a própria respiração. Um truque. Um truque para trazer algo que está faltando no meio de tantas outras coisas em excesso.
Por vezes se trata de uma mera ruptura do real, já que ele é muito mais incontrolável do que as nossas próprias lembranças e desejos, estes, automaticamente selecionados e involuntariamente revividos.
Desejar pode parecer mais difícil do que esquecer.  Livrar-se de um flashback pode parecer tão fácil como piscar os olhos e perceber que já não está sozinho. Acho que alguém acabou de falar comigo. O flashback evaporou e o desejo também. Como um Oasis que oscila surgindo e desaparecendo no meio do deserto, aguçando sentidos instintivos e ingênuos. Mero truque. Nossos flashbacks são os primeiros a nos enganar.
Se for visível a existência de um alongamento no tempo, com o real, significa que você está vivendo muito ou deixando espaços muito abertos, ou, quem sabe, pedaços em branco...
Quando se vive muitas coisas nestes espaços de tempo, àquele desejo latente, de repente, mesmo não tendo acontecido, torna-se uma representação real. Talvez porque te trouxe sensações singulares. É a sua natureza selvagem -- lê-se o seu biológico  -- tentando traduzir a vontade de ter àquilo que está atrás dos seus olhos -- na sua mente -- ao menos por parte, para frente deles. Às vezes fazemos tanta questão em trazer o que está atrás deles para frente que acabamos nos decepcionando.
Flashes que permutam por eras, épocas e pessoas. Devolvem vida a meras falas de uma feira em silêncio. Pode parecer uma confusão, mas cada pedaço faz sentido, aproxime-se para compreender. Seja um observador-explorador inquieto.
Como em qualquer feira, se você não entende bem o que está acontecendo em uma parte, automaticamente você tende a direcionar os seus sentidos em uma delas, para que consiga se envolver, entender e dialogar. A gente só se entende quando conseguimos nos aproximar de nós mesmos, ainda que algumas partes pareçam eternamente estranhas.
No meio de tantos truques, o esquecimento é só mais um. Ele é o motor para que tudo passe a ter intensidade, valor e significado, quando verdadeiramente aguçado. Nesse jogo nem sempre o que está mais visível é o que será facilmente reconhecido. Talvez falte algo ou, talvez, seja apenas mais um truque. Um mero truque. O flashback pode ser o perigo ou a salvação.



Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA