Os livros de Adam







Quando vivia na cabana o desejo estranho de Adam era de manter a sua prateleira de livros sempre ocupada. Um vício fora do comum. Um desejo maior do que a sua própria compreensão. Desde que percebeu o que são estes livros, não parou de colocá-los na prateleira. Quando era criança tinha uma coleção de histórias, sentimentos e lembranças. Ele não se esquecia de absolutamente nada. Memórias.
O mais estranho no comportamento de Adam era sempre manter tudo ocupado, sem espaços vazios. Para ele reconhecer e aceitar o vazio, seria um grande problema, por isso evitava. O vazio o incomodara mais do que qualquer coisa. A verdade é que ele não sabia conviver consigo por muito tempo. Medo de introspecção.
Fazia escolhas sem ler metade do conteúdo. Preocupava-se em manter a prateleira preenchida, para não ter de encarar àquelas lacunas. Colocava-os em um local de destaque, e como se pudesse prever alguma coisa, mantinha na ordem do mais atual para o recente. Muitas vezes o livro não tinha conteúdo, apenas imagens vazias. Adam era tão ingênuo que preenchia esta prateleira com qualquer tipo livro, não havia escolhas racionais.

Quando recebeu os visitantes, perceberam que nas prateleiras havia muitos livros para um único leitor. Em meio a conversas, recomendaram que deixasse metade de lado. Questionaram se não seria a hora de esvaziar por completo.
Nenhuma daquelas palavras ou imagens fazia mais sentido para ele, já estavam absorvidas. O melhor a fazer seria descartá-los ou passar adiante para pessoas que precisam daqueles tipos de livro. Há sempre um leitor pronto.
Adam foi resistente à ideia. Imaginou pela primeira vez sua prateleira vazia. O que seria ir dormir encarando o vazio? Imaginou acordar, passar durante o dia. Sentiu a agonia de quem constata o vazio. Não sabia se tinha forças para deixar esses livros fora de sua visão e de sua vida. Não é fácil desprender-se do que se julga necessário.
As palavras tão conhecidas se repetiam em alguns livros. Adam não precisava de vários livros com a mesma mensagem, mas de um, que lhe fosse verdadeiramente útil. Resistiu até o último momento, até que percebeu, num choque de consciência, que o conhecimento útil que conquistou com estes livros permanecerão mesmo fisicamente invisíveis.
Olhou a prateleira mais uma vez, percebeu que estes livros são apenas livros, o material e palpável de alguma coisa abstrata, de idealizações. Percebeu que havia coisas demais, conteúdos que nunca precisou. Finalmente resolveu desfazer-se. Entregou alguns livros ao seu dono real, doou alguns e outros descartou. Sim, Adam descartou livros.

Mas o desafio de Adam, não era desfazer-se dos livros, mas dar novas funções e usos, e deixar que a prateleira tenha espaço para os verdadeiros e significativos livros de conteúdo nobre. Adam via nos livros, pessoas. Talvez este seja o motivo para o vício.

Comentários

  1. legal essa ideia de deixar de lado o que ja tem mto e se abrir pro novo

    ResponderExcluir
  2. Esse conto revela uma grande verdade, a verdade sobre as pessoas que procuram chegar, mas pelo caminho errado. É tudo um grande engano. Só se encontra um caminho se olharmos com atenção o que se encontra nele, por que tudo são pistas...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem-vindo a Ótica Cotidiana!
Obrigado pela visita e leitura do texto.


Participe deixando a sua opinião, comentário ou questionamento sobre o texto.

NOTAS :

- Não serão tolerados qualquer mensagem contendo conteúdo ofensivo ou de spam.
- Os comentários são de plena responsabilidade dos seus autores, ainda que moderados pela administração do site.
- Os comentários não representam a opinião do autor ou do site.

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA