O mundo através da janela


Quando era criança e não alcançava a janela para ver o mundo com os meus próprios olhos, sempre pedia para os meus pais me contar como era este lugar que vivia e sabia tão pouco. Contavam-me histórias sobre a natureza, sobre o que há de bom. Me desdobrava a imaginar, junto com os meus livros, o que seria este universo que ainda não poderia ver.
Tudo parecia tão distante de mim, mas ainda sim fazia parte dele. A curiosidade era fora do comum, quase sempre tentava alcançar a janela para ver fragmentos materiais deste mundo. Não queria caixotes nem nada do tipo. Sempre desejei alcançar o mundo com os meus olhos, sustentado pelos próprios pés. Espontaneamente.
Tudo que eu via era o céu. Os desenhos das nuvens pareciam dançar em harmonia naquele infinito azul claro. As estrelas durante a noite potencializava a minha vontade de explorar e descobrir. O que há além do que não consigo ver? O que há além do que não consigo compreender? Este era o meu combustível para sonhar, posso criar o mundo que eu quiser.
Não que eu não conhecesse o mundo real, saia de casa várias vezes, tinha amigos e rotina. Mas o que eu sentia falta era de vê-lo do alto com os meus próprios olhos, com o meu próprio esforço. Encontrar a minha percepção do horizonte.

O tempo foi passando e quando finalmente cresci e pude ver com os meus próprios olhos este mundo do alto, descobri muito mais do que um dia imaginei. Diferente dos livros, mas tão material quanto os mesmos. Aos poucos e aos muitos fui percebendo que há de tudo aqui. Esse mundo não é apenas a ilustração daquelas palavras dos livros e nem os comentários e histórias faladas sobre ele. É muito mais.
As pessoas sempre tentaram me proteger por conta dos perigos reais e imaginários deste mundo, mas se a percepção de perigo não fosse minha, porque vi com os meus próprios olhos, não seria a mesma coisa. Precisamos compreender para crer. Por mais real que seja as definições do mundo ou de qualquer coisa, a gente sempre precisa ver com os nossos próprios olhos. Ver o visível no invisível. A nossa percepção nunca deve ser única e imutável. O mundo é absurdamente imenso para limitações. E os perigos podem não estar necessariamente no mundo a fora, mas dentro do que seus pensamentos são capazes de fazer consigo e com o universo.

Ainda não conheço nem metade de tudo, mas sei que o conhecimento com os meus próprios esforços, de uma forma ou de outra, jamais deixarão de existir. Os olhos que veem além da janela precisam ser os meus. 


#Footnote:
Há momentos em que ficar quieto no canto é uma constante necessidade, ainda que não consigam compreendê-la.

Comentários

  1. ''Os olhos que veem além da janela precisam ser os meus.'' Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Tea, pelo comentário!
    Fico feliz que tenha gostado, volte sempre que desejar, será sempre bem vinda =)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem-vindo a Ótica Cotidiana!
Obrigado pela visita e leitura do texto.


Participe deixando a sua opinião, comentário ou questionamento sobre o texto.

NOTAS :

- Não serão tolerados qualquer mensagem contendo conteúdo ofensivo ou de spam.
- Os comentários são de plena responsabilidade dos seus autores, ainda que moderados pela administração do site.
- Os comentários não representam a opinião do autor ou do site.

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA