Mundo abstrato: o que fazer dele?




O quê? O quê exatamente deve ser feito para que parte deste abstrato se torne inexpressivo em mentes famintas?

Você criou algo que no fundo não gostaria de ter ousado criar naquele momento específico. Muito mais do que imaginava, envolveu-se integralmente nesse processo. Sabia dos riscos e já previa o final, mas ainda sim voou. Era inevitável e irresistível. Cair em tentação ou em realização? Sentiu a intensidade de tudo, muito mais do que se atreveria racionalmente. Agora percebe que os seguros contra arrependimentos que assinou simbolicamente -- para minimizar a culpa futura -- não serviram para muito.
Percebe agora o que há atrás de tudo isso que criou. Luta diariamente para desfazer o que tanto inventou e usou. Mas é tão difícil deixar as coisas que criamos. Mais ainda: é difícil desfazer-se de uma parte nossa. Essa criação é a mais complicada e complexa de todas, justamente por ser algo tão único, tão nosso e tão presente. O produto criado é difícil de ser descartado porque ele coube exatamente no espaço vazio. Preenchimento.
A pergunta é sempre: por quê? Por que isso foi criado? Por que os freios não foram usados quando deviam ser? Agora o futuro já é passado e você sente que precisa por tudo isso em uma mala e jogá-la a sorte da própria sorte. Insegurança.
Conflitos emergem, porque o efeito positivo de tudo é algo que realmente envolve e paradoxalmente faz bem. Enquanto há gratificações é difícil interromper os usos e laços imaginários. O problema em jogar tudo isso para cima está nesse vazio que ficará. Há espaços vazios e eles incomodam, lembra? Eles são assustadores. É, mas acho que você precisa liquidar de vez essas coisas, caso contrário, enlouquecerá. Você não tem ideia do que fazer, de como fazer e por onde começar. Em monólogos silenciosos o seus universos abstratos tentam eliminar o medo de encarar o vazio, com a possibilidade de um caos ainda maior.
É difícil desfazer as coisas que foram feitas. É difícil destruir o que criamos. No mundo material a construção parece difícil e a demolição é rápida. No mundo abstrato a construção é rápida e a demolição é muito mais difícil e lenta. O que resta é o tempo. Mas a única certeza é de que ele irá passar. Esses mundos abstratos são o mundo das contradições. Eles estão por aí, cumprindo necessidades imediatas. O que você fará dele? O que pedirá a ele? Estaria pronto para cobrança de uma dívida como essa?

Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA