Flashes e reflexos






Sinto um frio na barriga estranho, agradável e especial. Algo unicamente meu. Ando por aí vendo imagens e sentindo as cores do dia. Aprendendo e me envolvendo com o invisível e o visível. Entre todos os caminhos que trilhei, consigo ver uma imagem turva refletindo em minha frente. Os meus olhos transmitindo muitas coisas e sentimentos ora perigosos, ora saudáveis. Vejo os olhos de quando eu tinha 10 anos. Preocupações naquela época? Por que tê-las se tudo é tão leve nesta idade? Mas o reflexo momentâneo que apareceu no momento em que eu vi, me assustou por inteiro.
Assustou-me porque automaticamente surgiram flashes e vi nitidamente os meus sonhos, dúvidas, medos e as angústias. A comparação foi inevitável. Droga! Achei que tivesse liquidado muitos assuntos, achei que o que eu me acomodei finalmente, me conformei. No entanto, tudo anda vivo, alguns mais do que gostaria.
A minha solidão e as minhas companhias. Incertezas absolutamente minhas, sentimentos inteiramente meus. Perguntava e sonhava. Felicidade? Ela sempre existiu. Tentaram me separar dela muitas vezes, mas aprendi que assim como as pessoas conseguem agarrar muito bem os seus objetos palpáveis, consigo agarrar muito bem a minha felicidade.
Paro para pensar o que aquele garoto de 10 anos repleto de sonhos e pensamentos diria para o jovem que ele se tornou hoje. Acho que ele, como qualquer criança, faria perguntas sem fim. Ficaria um pouco sem jeito para responder. Em segundos, tocaria no meu orgulho. Em segundos me desvendaria por inteiro. Certamente diria que está surpreso com o que vê, mas inteiramente aliviado por perceber que o que move os seus passos, continua vivo e com o mesmo brilho. Será que algo seu daquela época ainda está vivo?
Ele parece confuso, mas consegue aprender com esta confusão. Parece feliz, mas sabe que nem tudo são flores. Consegue sentir a energia dos seus sonhos e o que isso significa. Sabe que apenas os tolos estão sempre satisfeitos e o valor que tem os seus passos. Seu sorriso verdadeiro traz de volta o que estava apagado.
Segundos ínfimos extremamente grandiosos. Aprendi a importância em ouvir alguém que já esteve no controle. Aprendi que em um mundo caótico, individualista e que poucos estão dispostos a ouvir, alguém que está sempre aqui, sempre está disposto a ser ouvido e a me ensinar. Tudo isso me fez bem, tudo isso me faz bem. Agora olho para os lados e me pergunto vendo pessoas por todos os lados: o que está vivo daquela velha época? Flashes e reflexos, você consegue vê-los? Você consegue identificar a importância deles?



Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA