A chuva




Aos poucos o céu começara a indicar que a chuva iria cair a qualquer momento. Ninguém esperava que fosse algo muito forte e demorado. Havia muitas coisas sujas que a água da chuva poderia ser útil ao passar e lavar. Quando a tempestade começou e os raios preencheram o ambiente, tudo se tornou tenebroso.
A chuva permaneceu por um tempo. Tempo suficiente para causar estragos e danos irreversíveis. Partes que antes brilhavam, porque haviam sido regadas e nutridas, agora brilham não por causa do processo, mas por causa do estrago.
Uma tempestade que parecia não ter fim, ou melhor, se configurava e aparecera de uma maneira inexplicável. Muitos tiveram medo, era tudo que poderiam ter. Era visível que algo de estranho e fora do normal havia acontecido. Os rostos comunicavam, as palavras eram postas para fora, mas a recepção era seca, embora tudo estivesse vazando.
Logo que começaram a diminuir o ritmo, as coisas davam indícios de que retornariam ao estado de estabilidade. Quem antes se preocupava ou sofria por causa da chuva, começara a dar os primeiros sorrisos e tudo caminhava para o aconchego e conforto, graças ao calor vindo do que realmente faz bem.
Evidente que ninguém conseguirá esquecer o efeito desta chuva, ela trouxe estragos irrecuperáveis. Mas como já fora dito, também serviu para lavar e levar coisas sujas. Por mais que para isso algo tenha brilhado com uma natureza distinta. A única certeza e forma de encontrar o conforto seria acreditar que no fundo tudo iria acabar bem.
O inesperado, chocante, agonizante e cruel, poderia e deveria ser levado com esta chuva. Havia coisas a mais, havia pontos e fatos que ninguém melhor do que os protagonistas saberiam decifrar e quiçá compreender. A chuva era esperada, as consequências também. Mas tudo assume um caráter diferente quando há maneiras distintas da chuva chegar. O lado mais inocente, embora forte, costuma sofrer mais. Um paradoxo do tempo, mas até os mais fortes são abalados.
Enfim, as gotas estão ou irão diminuir. Logo o primeiro sorriso e as primeiras chamas se reaquecerão e tratarão de por tudo em seu devido lugar. Direcionando-nos a um conforto fora do normal. Quem sabe depois de toda a chuva chegarão os dias felizes de sol.
Como àqueles dias do verão sem tantas frustrações, alimentando-se apenas da leveza da estação e com as mais variadas emoções. Mas as emoções em questão são as emoções positivas a ponto de realmente fazer bem. A ponto de fazer esquecer qualquer estrago das chuvas de lágrimas.


Footnote:
O tempo irá passar, mas uma coisa sei que não irá mudar: o meu desprezo por sentimentos como inveja e egoísmo, além das mentiras.


Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA