Figurinha chave






            

Todos. Absolutamente todos os garotos do meu bairro falavam e cobiçavam uma tal figurinha chave. Constatei a relevância quando completei todo o meu álbum e só me restava encontrá-la, para fazer valer a coleção.
A ansiedade me dominou durante dias, desde a manhã, em que voltando da escola, completei as páginas do álbum. Durante horas imaginei formas rápidas de materializar esse desejo. No final da noite acabei dormindo por obrigação, porque meus pais não me deixaram ficar acordado potencializando a minha ansiedade.
Quando a luz do sol preencheu o espaço entre as cortinas, levantei. Percebi que ainda estava cedo. Com uma pressa fora do normal, mal tomei o meu café da manhã: deixei tudo pela metade e atravessei a porta, para alcançar a rua. Minhas pernas curtas tentavam me dar passos rápidos e afobados, até que enfim cheguei à praça.
De frente para a banca de revistas, fiquei sentado e imóvel, sendo devorado pela angústia, pois precisava daquela figurinha chave a qualquer custo.

Enquanto o dono da banca – um senhor de idade, com cabelos brancos e ralos – dava sinais de que já iria abrir, impacientemente aguardava a autorização de que já poderia fazer o pedido. Olhava para trás imaginando alguém que poderia ocupar o meu lugar. O primeiro lugar. Mas ninguém ousaria, porque minha expressão devia representar a agressividade latente.
Depois de alguns minutos, que pareceram horas, ele se aproximou e me perguntou:
– Bom dia, em que posso ajudá-lo?
Imediatamente, e mal o cumprimentando, cuspi as palavras de alívio:
– Bom dia, por favor, me dê cinco pacotes de figurinhas.
O senhor gentilmente me entregou os envelopes, empilhando cada um deles lentamente, com as suas mãos meio murchas e brancas. Durante a contagem os meus olhos acompanhavam o movimento com ânsia de que tudo devia ser mais rápido.
Entreguei-lhe o único dinheiro que tinha, quando a contagem terminou. Antes que fosse embora, me disse que poderia ficar com mais um pacote. Comemorei o presente e saí apressado, feliz e com expectativas de realização.  
Longe dali e de todos, tentando proteger a possível conquista, sentei num meio fio da rua, na sombra de um tronco de uma árvore morta. Abri cada pacotinho com os olhos brilhando e com a esperança de encontrar a minha tão sonhada figurinha chave.
Rasguei um a um, e a cada novo pacote, o medo e o possível alívio em encontrar ou não à figurinha se confundiam. Por sorte, achei-a logo no pacote que o senhor da banca havia me dado de brinde.
Senti a felicidade de quem encontra o que procura. Parei por alguns instantes e logo fantasiei o meu álbum completo, com as figurinhas já coladas. Percebi a felicidade que isso representaria em minha infância. Era o álbum dos meus sonhos sendo completado pela figurinha mais famosa e desejada por todos. Corri e finalmente a juntei ao álbum. Depois da conquista, levantei da sombra do tronco da árvore e resolvi espalhar a felicidade conquistada. Comecei mostrando a todos de casa, e logo em seguida aos garotos da rua.
Havia um garoto, com a minha mesma idade, que sentia que não gostava muito de mim. Por isso fiz questão de mostrar aos amigos dele, para que ele soubesse por meio deles, de que o meu álbum estava completo.
Andando na rua, já no final da tarde, o menino que aparentemente não gostava de mim se aproximou. Me assustei com a sua chegada, mas não demonstrei, apenas o cumprimentei.
– Olá.
– Olá. – Respondeu de forma antipática. Fitou os meus olhos como se quisesse testar algo e completou:
– Fiquei sabendo que seu álbum estava completo, vim lhe parabenizar. Será que poderia vê-lo?
Imediatamente, estiquei o braço curto e fiz questão de mostrar a minha figurinha chave como um troféu. Naquele dia eu era o vencedor. E todos os outros garotos, eram meros aspirantes, assim como o garoto que estava na minha frente.
Mas ao ele vê-la abriu um risinho de lado, que fora aumentando até chegar a uma gargalhada. Uma ira invadiu o meu corpo e com um tom de raiva perguntei:
– O que foi? Está rindo de quê? Está com inveja porque completei o meu álbum! Nunca terá um como o meu!
Ele chegou mais próximo a mim, com o mesmo olhar desafiador e olhou dentro dos meus olhos miúdos e castanhos e disse:
– Esta figurinha não é a original. Ela é a do ano passado. Não tem validade, não serve mais. Garoto você se enganou. Não acredito que todo mundo acreditou em você.
Saiu rindo da situação e com um pouco de dó. Minha raiva transbordou, enquanto o via sumir do horizonte dos meus olhos. Pensei até em chorar. Achava tudo injusto. O menino que supostamente não gostava de mim, acabou de destruir um sonho. O meu sonho! A minha felicidade de um dia realizado se desmanchou em segundos.
Corri até a banca, quase já sendo fechada, e me encontrei com o senhor dos cabelos ralos. Abordando-o, sem qualquer cumprimento, praticamente o gritei:
– O senhor me deu um pacote velho, não serve mais, não há uma figurinha chave!
Com uma expressão tênue e muito apaziguadora ele me respondeu:
– Eu sei. Te passei este pacotinho velho imaginando que não prestaria atenção e cometeria o erro de achar que havia achado a figura certa.
Sem entender e irritado perguntei:
– Mas por que o senhor fez isso comigo? Eu sofri, sabia!? Agora tudo parece acabado. Agora estou exposto ao sentimento de conviver sem o que acreditei ter.
Ele me respondeu mais calmamente ainda:
– Simples, porque estava cego querendo muito algo, que nem sequer percebeu que a figurinha em questão era velha e não se encaixava no seu álbum, tampouco brilhava e tinha o valor da verdadeira. Quis te mostrar com isso, que embora esteja cego atrás de algo que queira muito, é preciso tomar cuidado com as cópias ou com as experiências que parecem verdadeiras. Não se apresse. És muito novo e completará o seu álbum quando menos imaginar. Nunca desista, só tenha esperanças com pés no chão. Perceberá que terá tudo em sua hora.
Observando o meu silêncio e provável absorção das palavras, continuou:
- Ah, e antes que esqueça, nem tudo vem facilmente. O menino que te contou a verdade passou por aqui e me contou que havia revelado a verdade a você. Achou o seu engano cômico, mas ficou preocupado com o que viu. Preste atenção nele, ele sempre quis ser o seu amigo. Somente alguém que se importa conosco consegue nos dizer a verdade e ainda sim se preocupar com as consequências. Dê mais valor às pessoas que gostam de você e evite se entregar ao inexistente. Hoje não tem ideia de como ele cresce e toma proporções inimagináveis e, muitas vezes, perigosas.
Novamente parou por uns instantes e pegou o álbum de minha mão dizendo:
– Não fique com raiva. Mais cedo ou mais tarde, compreenderá que achar a figurinha chave não é tão fácil, mas procurá-la pode ser muito bom, se conservar a esperança. Mas não esqueça: se trata de esperanças com os pés no chão.
O senhor devolveu o meu álbum e deve ter transferido a calma para mim nesse curto período de conversa. Tanto que sai da banca pensativo e envergonhado, ao recordar do tom de voz que havia usado com ele quando cheguei. Em silêncio, continuei caminhando absorvendo o que parecia difícil, frente ao que sentia.
 Um pouco mais tarde percebi que ele estava certo em tudo. Até mesmo o garoto que julguei se tornou um grande amigo. Aprendi a controlar mais a minha vontade de encontrar a figurinha chave. E se me perguntar se achei a tal figurinha, te respondo que não. No entanto, continuo na busca e sei que um dia a acharei. Mas acima de tudo tenho esperanças, mas esperanças com os pés no chão.
Aprendi a usar as figurinhas velhas e as comuns, algumas repetidas, para outros fins. Acredito ter aprendido a ser um pouco mais alquimista. No final das contas sai ganhando, pois hoje me sinto um alquimista com esperanças com pés no chão. Pronto para procurar, pronto para achar.
Já não tenho pressa e não vou correr demais, tudo tem a hora certa para chegar.


#


Footnotes:
- Um oi muito mais do que especial para: Dona Emi, Carla, Rodrigo, e ao Gillian.
- Fantasmas do passado devem ficar enterrados no passado.

Em 19 de Fevereiro de 2010:
Por mais que todos os dias o Billy Joel em Vienna me fale: ‘Devagar sua criança louca’, eu ainda assim não consigo. Pois o movimento da vida não me permite.



Comentários

  1. só posso dizer que ADOREI !

    ResponderExcluir
  2. (Sem palavras).
    Vinny, eu nem sei o que vou dizer aqui...Só digo que tudo o que vc escreveu é tão real- e vc sabe disso- que cheguei ao ponto de ficar realmente sem palavras.
    Quando a gente cai muito, manter a querida ''esperança com pés no chão'' nem de longe é fácil. Mas o que restará de nós se nossos pensamentos continuarem no passado, remoendo dores ou vendo coisas que não existem?
    É questão de encontrar forças onde não há, como uma vez você me falou. É questão de colocar os pés no chão mesmo, sem matar a esperança. Buscar desesperadamente, não mais; apenas continuar essa busca de forma racional, acreditando que REALMENTE tudo tem seu tempo.
    Ai...É isso... Eu fiquei muito, muito emocionada com esse texto. Obrigaaaaaaada pela força de sempre, obrigada por ter dedicado também à uma criaturinha que o senhor - sabe-se lá Deus pq- convencionou chamar de ''Dona Emi''! Mandaram te avisar que ela quase teve um surto de choro e disse que vai bater no senhor, hahahhahahha ;P, brincadeiraa!
    Beijo grande, fica com Deus!

    ResponderExcluir
  3. Oiii Vinny, olha eu aki de novo.
    Guri! Hj tu te puxou hein. Muiito bom o post, bom mesmo, acho que tu falou o que muitas pessoas precisam ouvir mas estão afobadas demais em busca da figurinha chave. Parabéns seu fubá adoro teu blog.
    Bjoks

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem-vindo a Ótica Cotidiana!
Obrigado pela visita e leitura do texto.


Participe deixando a sua opinião, comentário ou questionamento sobre o texto.

NOTAS :

- Não serão tolerados qualquer mensagem contendo conteúdo ofensivo ou de spam.
- Os comentários são de plena responsabilidade dos seus autores, ainda que moderados pela administração do site.
- Os comentários não representam a opinião do autor ou do site.

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA