Nada além do horizonte




Olhando para nada além do horizonte, ele começara a dar sinais de que havia acordado. 
Parou e pensou por um bom tempo. Já sabia que vivera muito, mesmo sabendo de sua pouca idade. Pensara em noites mal dormidas, acontecimentos espasmódicos e concluiu: o que ele pensara e almejava como oxigênio para os seus pulmões está morto, ou melhor, nunca existiu.
Aprendemos a viver sem muitas coisas, e ele sabe que vai ficar bem, só não sabe quando.

Footnote:
É triste notar que as pessoas se contentam com cópias e montagens descartáveis.
 

Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA