Encontro com o desejo




Ele acordara muito cedo, na verdade nem sequer dormiu direito. Atônito, angustiado e sem qualquer vontade de fazer qualquer coisa, resolveu sair por aí sem destino.
Caminhara pelas ruas por muito tempo desejando encontrar o seu amor. Por um minuto fez viagens que talvez nunca viessem a se tornar realidade. Mas pouco importava, estava viajando. Era o seu direito sonhar, não poderia se privar disso justamente quando era o que mantinha. Verdadeiramente, precisava sonhar. Só o sonho conseguiria aliviar um pouco do que estava sentindo com a dura realidade. Tudo tão pesado, denso e lento. Os pedaços eram espinhosos e machucavam se muito pressionados.
Correu em direção a uma praça aparentemente parada e sem cor. Em meio aos bancos de concreto, árvores de folhas alaranjadas, ali ingressou em mais uma viagem, enquanto abraçava uma das árvores. Era tudo que tinha. Virou para o outro lado da árvore, afim de que pudesse ver a praça por completo.

Espremendo os olhos, notou que lá estava o seu grande amor. Ficou muito feliz, finalmente encontrara o que procurava por muito tempo. Sorriu. Aproximou-se mais, inclinando a cabeça e forçando ainda mais os olhos, até quando notou surpreso, que o seu amor não estava só. Havia outra pessoa com quem trocava carinhos.
Em choque, como quem tira o dedo da tomada, imediatamente virou o rosto e desviou o seu olhar. Parou alguns segundos até que a tristeza o abraçou e a ilusão o confortou. Mesmo em pedaços, foi forte naquele momento e não demonstrou a sua tristeza ali. A reação máxima que tivera fora voltar à estrada e continuar a caminhar.
No conforto da casa, já deitado no sofá, chorou lágrimas que lhe pareciam sangue, porque elas te tiravam a vida. Sentia-se muito mal. A sensação era tão pesada que nem deu conta de esconder para si. Não tinha forças, acreditava que o seu mundo estava prestes a acabar.
No mesmo sofá em que estava deitado, levantou e despertou. Checou o seu rosto, não encontrou mais as marcas das lágrimas de sangue. Notou que fora apenas um sonho, um pesadelo. 



Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA