Que direito eu tenho?


Direitos pela vida alheia? Parece contraditório, mas você sente-se com esse direito muitas vezes em um só dia

Já notaram o quão as pessoas se prestam a julgar as outras o tempo inteiro? Em certos casos é até insuportável. Algumas levam isso tão a sério, que acabam se perdendo com tantos julgamentos. O pior de tudo é que você faz isso e eu também. É inerente ao humano, porque vivemos em ambientes favoráveis: cobranças de um lado e do outro. Mas a questão é: quando isso se torna um excesso e consequentemente se torna um problema.
Essas próprias linhas que estou preenchendo são exemplos de julgamento. Estou julgando quem julga muito, não é estranho? Mas quero chegar ao ponto de que mal o indivíduo te conhece e já faz seus julgamentos. A pior parte de tudo é quando o indivíduo em questão, não só julgou, mas também idealizou alguma coisa em você que nunca foi ou transpareceu. Ele se agarra a essa criação com tamanha força e com tamanha rigidez, que malmente consegue se abrir para enxergar a pessoa que verdadeiramente é. Aí vem a decepção e a frustração.

O interessante é que você não tem a menor culpa por criações de imagem, é tudo subjetivo. O indivíduo quem as criou. Ele é meramente responsável, já que tudo pode ser mentira, como pode ser verdade. É tão difícil ver que aquela parede ali é verde e não vermelha. Daí o porquê das diversas reações e confusões. E tudo isso é completamente aplicável, tanto em um julgamento positivo quanto negativo.
Como em um exemplo: o sujeito diz amar a namorada, mas ela não corresponde a sua idealização e deseja que ela mude.  Ela, talvez por pressão, atende o desejo gradualmente. Segue tão a risca, que chega um dia em que muda completamente. Uma surpresa acontece: ele termina subitamente o namoro com a justificativa: você já não é a mesma. Ora, se ele julgou tanto e queria mudanças, quando finalmente se deu diante delas, percebeu então que não era isso que realmente queria. Note a frequência em que isso ocorre, veja se você mesmo já não passou por isso.
Tratando de mudanças inesperadas, quantas pessoas não desejam morar perto da praia para ir se banhar todos os dias? Quando elas finalmente conseguem, malmente passam por lá ou enjoam muito rápido -- de maneira geral, claro. Já imaginou como seria acordar e ver que os julgamentos e as mudanças que você tanto queria, aconteceram de maneira inesperada e rápida, sem qualquer escala de progressão ou esforço, como se fosse a um passe de mágica? É uma situação de choque. Acho que fica um vazio aí, que para alguns é muito perceptível e para outros não. O que entra em questão é o preparo para lidar com o que é dado e inesperado, a fim de que não surjam vazios que fatalmente posam levar a ações contraditórias.
Para algumas pessoas aceitar que o verde não é vermelho pode ser difícil, tanto nos julgamentos, quanto nas mudanças. Essas criações de imagens envolvem muito mais do que valores. Envolvem sentimentos, que vão desde a apatia ao amor. É como àquela frase ‘Não me julgue, me ame’, que faz todo o sentido quando se têm alguém que ame sempre por perto julgando seus passos.
Além do que, o passo que considera incerto nos outros, pode não ser. Talvez precise libertar seus medos e julgar menos. Não digo parar de julgar, porque isso parece impossível para o humano, mas acho que medir e ser sensível às pessoas e aos julgamentos não seria prejudicial.
Acredito, por fim, que se deva não só amar mais, mas respeitar mais. Quando se julga mentalmente é uma coisa, e quando verbaliza é outra completamente diferente. O respeito precisa entrar. Afinal de contas, que direito tenho de julgar se é certo ou errado o comportamento de Fulaninha ou Cicraninha, se na verdade não quero ser julgado? Cabe aí à questão, inverta as situações. 



Comentários

  1. Em: 10/08/2009 02:26:31

    lendo seu post lembrei de uma coisa que meu professor disse uma vez

    "se for pra criticar alguem, faça uma critica construtiva"

    sei la, bateu com o que voc disse no post.. se for pra falar alguma coisa, fale algo que possa ajudar E SE A PESSOA QUISER É CLARO, caso contrario é melhor ficar na sua

    adorei o post vii xD

    ResponderExcluir
  2. Em: 10/08/2009 02:29:01

    Aff odeio essa mania que as pessoas tem de julgar o outro sem conhecer. Comigo ja aconteceu milhares d vezes. Mas sinceramente acho q eh alguma coisa da natureza, sei la pq eu tbm ja fiz isso e qm disser q nunk fez tah mentindo.

    ResponderExcluir
  3. Em: 08/09/2009 09:13:14

    Caara gostei do novo template mano, ficou bem legal e mais claro, da uma nova sensação.... sei lá eu gostei mais.Não sei se eu ja te dei os parabéns pelo 1º ano de blog, mas pelo sim e pelo não: Parabéns^^ abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem-vindo a Ótica Cotidiana!
Obrigado pela visita e leitura do texto.


Participe deixando a sua opinião, comentário ou questionamento sobre o texto.

NOTAS :

- Não serão tolerados qualquer mensagem contendo conteúdo ofensivo ou de spam.
- Os comentários são de plena responsabilidade dos seus autores, ainda que moderados pela administração do site.
- Os comentários não representam a opinião do autor ou do site.

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA