Uma velha conhecida






No silêncio da madrugada se viu sozinho escrevendo cartas, como num movimento de puro desespero e salvação. Alguma coisa lhe parecia estranha, mas ao mesmo tempo parecia conviver com uma velha conhecida. Percebeu nas semelhanças que àquele velho perigo e medo ainda permaneciam latentes.
O ambiente de tensão o fazia pensar que tudo era corrosivo ao extremo, e que a qualquer momento tudo poderia explodir, o deixando em pedaços outra vez. Contudo, no fundo adorava sentir-se daquele jeito: completamente imerso à situação, completamente imerso aos sentimentos.
Como sempre a incerteza o atormentava, mas tudo se resolvia nesses momentos em que sentia o frio na barriga e se abraçava de leve. Lembrava-se de uma felicidade talvez idealizada, mas funcional. Por ela ser desconhecida e conhecida, simultaneamente, às vezes causara medo. Olhava para o alto, perdido, sem rumo e confessava para si, no silêncio gélido da madrugada, que estava se apaixonando outra vez.




MICHAEL JACKSON
Infelizmente ele se foi e fica aqui toda a tristeza pela perda de um grande astro. O eterno e único Rei do Pop, sempre presente nas melhores recordações de uma época em que reinava singularmente. 

Comentários

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA