Escolhas & sacrifícios




Numa cidade pequena de muitos pobres e poucos ricos, um grande comerciante resolveu festejar a sua riqueza. Como era costume, para sinalizar compaixão, convidou pessoalmente uma garota entre os mais pobres.
Eliza, a escolhida pelo rapaz rico, ao receber o convite ficou tão feliz e mal pôde acreditar que realmente havia sido convidada. Contou para todas as pessoas de sua casa e também de sua ala. A alegria nos seus olhos era algo inquestionável, radiavam a sua ingenuidade. Ela tinha no rosto um sorriso pueril de menina sonhadora.
 Foi praticamente impossível retomar as suas atividades diárias. Não retirou água da cisterna para por na bacia e lavar os pratos. Tampouco separou a comida dos porcos. Tudo que conseguia pensar era na festa.
Animadíssima, correu para uma de suas primas -- de melhores condições, mas não tão distante dela -- e lhe pediu um vestido emprestado. A prima, vendo a felicidade nos olhos de Eliza, emprestou sem qualquer dificuldade. Tudo conspirava a favor da garota que hoje faria jus ao nome de rainha que herdara. Sua casa estava lotada, era domingo e todos estavam bastante animados na confraternização religiosa.

O relógio marcou 18:30 e então a menina correu para o banheiro do lado de fora de casa, com o vestido emprestado, a maquiagem barata da irmã mais velha e os sapatos de sua prima/tia. Mal poderia acreditar que o seu sonho se realizaria nesta noite. Cantarolava, dançava com o vestido e sorria como ninguém antes tinha visto. Os olhos negros fitavam sem parar as suas roupas emprestadas e seu semblante era de quem estava em outro lugar.
Ao prender o vestido na parede do banheiro, fora em direção à porta para fechá-la. Para sua infelicidade, a porta estava solta. Todos estavam bastante ocupados com os festejos, e o som estava muito alto, ninguém poderia ajudá-la. Para que pudesse se arrumar, alguém teria de segurar a porta. O que iria permitir que ninguém entrasse no momento em que estivesse no banho.
A menina ficou ali segurando a porta, por muito e muito tempo. Olhava para o vestido, olhava para maquiagem e logo a decepção e a frustração começava a preencher o seu rosto. Seu humor parecia um sorvete caído na calçada, derretendo aos poucos e evaporando. Gritou, gritou, e ninguém pôde escutá-la.
Pensou em encarar tomar o banho com a porta aberta mesmo, era por um sonho! Porém logo após tirar os sapatos, veio o medo em ser observada. O medo de alguém entrar pela àquela porta e ver a sua natureza íntima, e tudo que queria que ninguém jamais visse. Ficou ali observando o local, viu as paredes sujas e contrastou com o que veria na festa. Em diversas tentativas frustradas tentou segurar a porta e chegar ao balde ao mesmo tempo. Ficara ali por muito e muito tempo fazendo distintas manobras falidas. O cansaço era visível, e àqueles olhos que antes eram de uma menina sonhadora, agora eram de um adulto contrariado.
A confraternização de domingo em sua casa terminou, e ela ficara ali no banheiro agarrada com o seu vestido emprestado, vencida pelo sono, fome e pelo cansaço. O seu grande sonho se tornou sua grande decepção.

Diante da cena que percebi, só pude constatar: uma vez que temos um sonho, por menor que ele possa ser para os outros, precisamos, em momentos propícios, nos expor e nos arriscar ao máximo para tentar realizá-lo. Muitas pessoas irão nos ajudar em diferentes épocas de nossas vidas. No entanto, em um determinado tempo, nós -- sozinhos -- teremos de enfrentar certos medos, para assim superar e alcançar o que desejamos. A criança que está dentro de cada um de nós, pode ou não se tornar o adulto contrariado. Só vai depender das nossas escolhas e sacrifícios, frente a nossa vontade de vencer. Eliza nunca será uma rainha. Pelo menos enquanto ceder ao medo e pouco arriscar-se pelos seus sonhos. Poderia ter feito diferente, mas optou pela espera e tudo que conseguiu foi à sensação de que poderia ter feito diferente.


Comentários

  1. Em: 18/05/2009 19:23:27


    cara... coitada da garota :/
    rs

    Vi sua história ficou mto boa meu...
    nem preciso dizer que vc escreve mto bem né... quando vc escrever um livro eu vou ser o 1º a comprar

    ResponderExcluir
  2. Em: 30/05/2009 12:44:13


    Mano, desculpa num ler o post nem fazer um comentário sobre. To aki rapidamente pra dizrer que te espera uma 'brincadera' em forma de meme no meu blog pra ti. Espero que goste e lembre-se que é uma descontração, não uma obrigação. Abço

    ResponderExcluir
  3. Em: 07/06/2009 19:11:19

    ahhh adorei seu blog muito showww,da vontade de ler todas as postagens,ta super organizado. parabéns..bj e uma ótima semana p ti. ^^)

    ResponderExcluir
  4. Em: 13/06/2009 15:35:34

    Meu colega querido que escreve tão bem!
    Obrigada pelo comentário lá!
    Desculpa não ter passado antes,mas aqui estou eu,admirada com o seu blog(e dessa vez comentando!)
    Um beijo enorme!
    Ah,saiba que é uma honra estudar com uma pessoa tão talentosa como você!*-*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem-vindo a Ótica Cotidiana!
Obrigado pela visita e leitura do texto.


Participe deixando a sua opinião, comentário ou questionamento sobre o texto.

NOTAS :

- Não serão tolerados qualquer mensagem contendo conteúdo ofensivo ou de spam.
- Os comentários são de plena responsabilidade dos seus autores, ainda que moderados pela administração do site.
- Os comentários não representam a opinião do autor ou do site.

MAIS DE ÓTICA COTIDIANA